DIU (Dispostivo Intrauterino) é um pequeno objeto em formato de T ou Y, que é inserido no interior do útero, por um ginecologista, e é usado como método contraceptivo, o qual hoje em dia possui uma das maiores taxas de eficácia. Lembrando, que esse método contraceptivo, não é eficaz contra DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis), somente contra gravidez indesejada.

Existem dois tipos de DIU: o Hormonal e o de Metal (Cobre e/ou Prata). Abaixo vamos discutir as vantagens e desvatagens de cada um.

DIU Hormonal ou ainda chamado de SIU (Sistema Intrauterino) ou Mirena

Sua haste libera hormônios, principalmente progesterona, que irá enganar o cérebro (na região do hipotálamo) que a “mulher esta grávida”, logo o cérebro entende que não precisa dar o gatilho para fazer o estimulo hormonal da ovulação, dessa forma a mulher não ovula (não libera o óvulo no meio do ciclo menstrual).

O Mirena possui 52 mg de Levonorgestrel, liberando cerca de 20 mcg por dia, essa seria a sua carga hormonal.

As chances de engravidar com o uso do Mirena é de 0,2% , e muitas mulheres apresentam efeitos colaterais como alteração do ciclo menstrual, não ocorrendo a menstruação e aumento de peso. Sua durabilidade é em torno de 5 anos.

É indicado como tratamento em casos de mioma uterino, endometriose e adenomiose, menopausa e dismenorréia (mulheres que apresentam fluxo menstrual muito intenso). No entanto, é contraindicado para mulheres que tiveram câncer de mama ou que possuem doenças hepáticas.

DIU de Cobre

O DIU de cobre, possui uma haste maleável revestida pelo metal cobre. Ocorre uma pequena liberação de cobre no útero, causando algumas alterações no endométrio (tecido que recobre a parte interna do órgão), no muco e na motilidade das trompas. Ocorrendo uma leve reação inflamatória que torna a região hostil aos espermatozoides. Dessa forma, o DIU de cobre consegue evitar com que uma gravidez aconteça. Não há carga hormonal.

O uso do DIU de cobre tem chances bem pequenas de gravidez (cerca de 0,7%), e seu efeito colateral mais frequente é o aumento do fluxo menstrual e a presença de cólicas intensas. Pode permanecer no corpo da mulher por até 10 anos.

Por não ter hormonios é indicado para mulheres que já tiveram câncer de mama. E é contraindicado para muheres alergicas a cobre (*testes alergicos são indicados antes da sua colocação).

DIU de prata

Menos conhecido e mais moderno, o DIU de prata é outra opção de método contraceptivo disponível no mercado. O dispositivo, que tem formato de Y, contem prata e cobre em sua composição e produz o mesmo efeito no útero impossibilitando a fecundação do óvulo pelos espermatozoides.

A diferença é que a prata faz com que a ocorrência de cólicas e o fluxo menstrual sejam menores em comparação com o DIU de cobre. Além disso, ela também diminui o risco de oxidação da estrutura de cobre dentro do organismo, aumentando a eficácia do método. Sua duração é de cinco anos.

Por Christiane Guilherme

Bióloga Mestre em Fisiologia