Ser ou não ser mãe? Esta é, sem dúvidas, um questionamento que surge na mente das mulheres com certa frequência. Afinal, crescemos em uma sociedade onde todas as meninas irão ganhar bonecas de presente apenas para reforçar que o universo feminino precisa, necessariamente, girar entorno da maternidade.

Mas, será que esse é o caminho que você deseja verdadeiramente para você? A sua vontade de ser mãe, vem de si, ou do que foi imposto ao longo da sua vida? Vamos pensar um pouquinho sobre este assunto?

Acompanhe o texto a seguir e vamos juntas pensar sobre isso.

 

A sociedade impõe a maternidade

Pare e pense em quantas vezes, ao longo da sua vida, você já deve ter ouvido coisas do tipo “maternidade é uma realização na vida de uma mulher”, ou, “uma mulher só está completa quando se torna mãe”, entre outras colocações neste sentido.

Acredito que você já deva ter ouvido este tipo de coisa diversas e diversas vezes, não é mesmo? Pois é! É exatamente isso que estamos todas fadadas a ouvir no decorrer de nossas vidas. Muita gente ainda insiste em associar a figura da mulher apenas a dois lugares:

  • Ao lado de um marido; e
  • Com um bebê no colo.

Não que estas situações não sejam verdadeiramente bonitas, interessantes e até encaradas como realizações na vida de algumas mulheres. Mas, o erro está em achar que todas nós desejamos apenas isso.

Então, a primeira coisa que você deve pôr na sua mente é: até que ponto é você quem deseja ser mãe? Ou é alguém querendo impor isso a você?

 

Até que ponto é o que você quer?

Seguindo o tópico acima, vamos pensar um pouco sobre isso. Até que ponto o desejo de ser mãe é algo verdadeiramente seu? Pois sim, é possível que você tenha vontade de engravidar e até se imagine com um bebê, mas, será que é isso que você quer para a sua vida?

Repare que não estamos falando, em momento algum, do que pode ser visto como o melhor ou o certo. Mas, apenas estamos discutindo as suas vontades enquanto mulher.

Pois vivemos em um sociedade onde costumeiramente a opinião feminina é, querendo ou não, deixada um pouco de lado. E, com isso, muitas mulheres acabam ficando em dúvida com relação às suas próprias escolhas.

Portanto, o exercício que você deverá fazer agora é exatamente esse: pense e imagine-se como mãe. Imagine o seu bebê.

Primeiramente, é possível que venha à sua mente momentos lindos, com brincadeiras, a escolha do nome, etc. Mas, pense também nas possíveis dificuldades. Pense no tempo que você irá dispor para cuidar da criança, entre outras considerações.

Ainda, dentro disso, você se imagina e deseja ser mãe? Ou você está apenas querendo suprir uma falta imposta a você, com o ato de ter um bebê? Até que ponto esta escolha tem sido sua?

 

O seu desejo é mais importante!

É muito importante (e extremamente valioso) que você considere o seu desejo antes de qualquer coisa. Isso não quer dizer que você deva simplesmente se esquecer da vontade do seu marido ou da sua esposa, por exemplo, de ter ou não um bebê.

Mas sim, que você, que passará pelas mudanças, deverá pensar com muita atenção e cuidado neste tipo de acontecimento. Pois ter um bebê e ser ou não ser mãe, vai além de apenas engravidar e parir. Mas, muitas outras coisas estão envolvidas.

A mudança do seu corpo. As mudanças hormonais. A necessidade de cuidado médico. A mudança na rotina, no trabalho, na casa, na alimentação… Enfim! Quando você colocar todas estas mudanças na balança, e ainda assim sentir um forte desejo de ser mãe, então vá em frente!

Apenas não deixe-se levar pela ideia de que uma mulher só se realiza quando se torna mãe. Pois isso não é verdade! Uma mulher, sempre será uma mulher completa, desde que ela se permita isso. E não, necessariamente, apenas quando experimentar a maternidade.

Você é especial e completa. A maternidade seria apenas mais uma fase de descobertas e vivências em sua vida. Pense nisso e quebre os tabus impostos pela sociedade!

A sua opinião é mais valiosa que a imposição alheia.

Camila da Silva

CRP 12/17354