Corpo fora do padrão

Mas afinal o que é um corpo padrão? Para a mídia um corpo magro, barriga tanquinho, coxas finas sem se encostar uma na outra, seios siliconados, mas naturais, aréolas pequenas, quadril – bom, esta parte é variável, pois há quem peça mais outros menos. Celulite? Impossível! Estrias? Isso não existe!

O corpo perfeito, padrão – se come muito e não engorda? Ideal! Mas não é assim que funciona, quem quiser ter uma dieta variável gordurinhas vão aparecer. Chocolate? Uma vez por semana! Hambúrguer? Nunca! – são preços que se pagam para manter o corpo “ideal”.


Mas “ufa!”, o corpo padrão é difícil de alcançar! Isto porque ele não tem nada de “padrão” nisso. O que é vendido pelas mídias como padrão, é um corpo que somente a minoria tem como genética, mas infelizmente é tido como o normal, o que faz com que 9 em cada 10 mulheres se sintam insatisfeitas com seu corpo, ou seja, 9 em cada 10 não são padrão. Confuso, não é?

Cadê o corpo padrão?

O padrão não existe! Os corpos são os mais variáveis possíveis, não é possível existir um “padrão” devido às diferenças genéticas e étnicas. Mas e o famoso “o magro é saudável?”. Mentira! Um ser humano pode estar com suas gordurinhas e estar com seus exames completamente no verde. “E o famoso IMC?”, bom saiba que o IMC foi criado em 1800 por médicos, antes do descobrimento de várias doenças relacionadas ao sobrepeso e muitos nutricionistas concordam que está desatualizado.

Mas é a pressão estética? E o que as pessoa vão pensar pensar de mim? Serei atraente mesmo sem ser magra? Para o bem de sua saúde mental e autoestima, eu digo que sim! A felicidade é o maior atrativo de uma mulher, segundo O poder de Rhonda Byrne.


Louise L. Hay, acreditava, fielmente, que ao amar a si mesmo todos os problemas se resolvem – porque a sua opinião sobre si mesma lidera quem aparece em sua vida, atraímos aquilo em que acreditamos, e você pode, sim, atrair um homem que amará suas curvas e haverá quem preferirá elas aquela típica barriga tanquinho.

Corpo fora do padrão

A beleza está na genética

Além disso, não é possível mudar um biótipo – há quem tem uma precedência a ser mais gordinha e a outras a ter corpo magro, as famosas “magras de ruim”, por causa disso mudar o corpo que a genética lhe proporcionou é algo extremamente exaustivo e requer, muitas vezes, cirurgias drásticas para alcançar o famoso “padrão’.

Corpo fora do padrão

Mas porquê o padrão é o considerado aceitável e há uma fixação para fazer as mulheres se sentirem insatisfeitas com seus próprios corpos? De acordo com o livro O mito da beleza, com as mulheres se tornando força de trabalho e alcançando cargos ocupado por homens, deveria haver um outro meio de controlá-las.

A beleza toma tempo e promove a rivalidade entre mulheres, desfocando a atenção dos homens – que são os grandes aprovadores da beleza feminina, eles estão no controle. Por isso é tão importante o empoderamento feminino a respeito de seus próprios corpos, porque uma mulher que se ama como é é difícil de controlar. Ela toma o trono do controle de sua própria vida.

Você é bonita quando se sente bonita!

Por fim gostaria te apresentar um instagram cheio de mulher corpulentas e lindas para você se inspirar: The Bodys of de the Woman.

 

Lembre-se! Você é bonita! Cheinha, magra, com curvas, maravilhosamente gorda, porque não há nada de errado com esta palavra. Aproveite seu corpo!

 

Por Louise Biolchini